Luís Rodrigues doou colecção de pintura e desenho à CGTP-IN
Isabel Camarinha, Fernando Gomes e Luís Rodrigues ladeiam a aguarela doada pelo artista à CGTP-IN em Julho de 2021.

A 21 de Janeiro de 2022, na sede da CGTP-IN, em Lisboa, Luís Rodrigues formalizou a doação à CGTP-IN de uma colecção de 81 obras de pintura e desenho de sua autoria.

A admiração e o reconhecimento pela esforçada actividade da CGTP-IN em prol da defesa dos trabalhadores e da transformação da sociedade justificam, nas palavras do artista, esta oferta. A ela se junta uma aguarela que o autor já havia doado à CGTP-IN no âmbito da Exposição de Artes Plásticas que a confederação promoveu, em Julho de 2021, no Páteo da Galé, em Lisboa, no quadro do programa comemorativo do seu 50.º aniversário. Com o conjunto de obras doadas, Luís Rodrigues assume o intento de contribuir, ainda que modestamente, é sua a palavra, para um acervo de arte contemporânea de que os trabalhadores possam usufruir.

Nascido em Lisboa, a 17 de Dezembro de 1945, Luís Rodrigues estudou na Escola de Artes Decorativas António Arroio, no final da década de 1950 e princípios da década seguinte. Participou em inúmeras exposições colectivas, em Portugal e no estrangeiro, e inúmeras são também as suas exposições individuais, algumas das quais estiveram patentes no Espaço António Borges Coelho, a galeria do Sindicato do Professores da Grande Lisboa (SPGL), em 2011 e em 2018.

«A obra será tratada e disponibilizada para usufruto dos trabalhadores»

Isabel Camarinha, secretária-geral da CGTP-IN, dirigindo-se ao auditório de dirigentes, activistas e funcionários sindicais presentes, sublinhou a importância do gesto e da obra doada, que, garantiu, será tratada e disponibilizada para usufruto dos trabalhadores e demais público interessado, mediante a organização de exposições, catálogos e outras ferramentas que contribuam para a sua divulgação e estudo. Evocou ainda a histórica relação de proximidade entre o mundo artístico e da cultura e o mundo sindical e do trabalho. Esta oferta é testemunho de que esta relação continua viva, valorizando a arte como elemento ao serviço da causa dos trabalhadores e da transformação da sociedade.

Fernando Gomes, membro do Secretariado e da Comissão Executiva do Conselho Nacional responsável pelo departamento de Cultura e Tempos Livres e Centro de Arquivo e Documentação da CGTP-IN, destacou a responsabilidade que o gesto de Luís Rodrigues faz pender sobre a central sindical e os que hoje têm como missão assegurar a organização, preservação e divulgação do património documental e museológico da CGTP-IN.

A CGTP-IN é detentora de um vasto e diversificado acervo museológico

Como garantia de que este desiderato será alcançado, enquadrou esta doação no trabalho que o Centro de Arquivo e Documentação (CAD) tem vindo a desenvolver, desde 2017, no que respeita ao tratamento do diversificado e amplo acervo documental que a CGTP-IN tem vindo a reunir desde a sua fundação, em resultado da sua actividade e das relações de amizade e solidariedade que foi estabelecendo com organizações congéneres, nacionais e internacionais. Desde as medalhas aos pins, das bandeiras aos galhardetes, do mobiliário aos equipamentos e às obras de arte, em geral. Por exemplo, e exemplificando a longeva relação de proximidade entre o mundo artístico e o mundo sindical e do trabalho evocada pela secretária-geral, Fernando Gomes relembrou que, em 1980, por ocasião do 10.º aniversário da CGTP-IN, foram treze os artistas portugueses que doaram obras de sua autoria a esta central sindical, algumas das quais podem já ser visualizadas no renovado site do CAD (https://museu.cad.cgtp.pt/).

Acrescentou que, para complementar a informação sobre a vida e obra de Luís Rodrigues e como forma de valorizar o acervo documental da CGTP-IN, nomeadamente o seu arquivo de testemunhos orais, seria realizada uma entrevista ao artista que, depois de transcrita e validada, ficará disponível para pesquisa e consulta pública.

Partilhar nas redes sociais