Idioma da unidade de descrição

 
 

Bem vindo

O Centro de Arquivo e Documentação (CAD) da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP-IN) tem como missão gerir toda a documentação produzida e recebida  por esta organização (sede), independentemente do seu suporte ou data. Continuar...

 
 

Visualizar registo de autoridade

Carlos António de Carvalho

Tipo de entidade

Pessoa

Formas autorizadas do nome

Carlos António de Carvalho

Formas paralelas do nome

Formas autorizadas do nome de acordo com outras regras

Outras formas do nome

  • Carlos Carvalho

Identificadores para pessoas colectivas

Datas de existência

1949-01-24 –

História

Lugares

Arrifana, Vila Nova de Poiares, Coimbra (Portugal).

Estatuto legal

Funções, ocupações e actividades

1963 – Início da actividade profissional como aprendiz de serralheiro, na empresa de fundição COMETNA, na Amadora.
1969 – Iniciei a minha actividade política, participando na campanha da Oposição Democrática – CDE - e, na sequência do encerramento das sedes da Oposição, integrei um núcleo que decidiu constituir o que se viriam a conhecer como Cooperativas Culturais. Fui dirigente da VIS na Amadora até ao seu encerramento pelo Regime, DL 520/71.
1970 – Aderi ao Partido Comunista Português e tive como tarefa reorganizar a Célula da Empresa –
1971/72. Deposta a Direcção do Sindicato dos Metalúrgicos de Lisboa, passei a integrar o Grupo de Trabalho pró-Eleitoral, em oposição à Comissão Administrativa imposta pelo Ministério das Corporações. Como representante desta, passei a participar nas reuniões da Intersindical.
1973 – Já como membro da Comissão Executiva da CDE de Lisboa, fui responsável pelas Sócio-profissionais, participei no Congresso da Oposição Democrática, em Aveiro, em Abril deste ano, e fui candidato a Deputado nas "eleições" de Outubro.
Ainda em 1972 passei a ser delegado sindical dos Metalúrgicos de Lisboa.
Tive uma intervenção directa na organização das greves da COMETNA em Abril de 1973, pela conquista das 45 horas semanais e a 2 de Janeiro de 1974, por aumentos salariais. Greve vitoriosa que, de alguma maneira, influenciou outras greves na Região de Lisboa.
1974 – Eleita a Direcção do Sindicato, em Dezembro de 1973, que não integrei porque a minha intervenção política levaria à sua impugnação, continuei a participar nas reuniões da Intersindical até Fevereiro deste ano. Estive na organização do Primeiro de Maio de 1974. Em Outubro deste ano, passei a integrar, em representação do Sindicato, o Secretariado da Intersindical. No Congresso da Intersindical de Julho de 1975, fui eleito membro do Secretariado e da Comissão Executiva até Janeiro de 1977.
No Congresso de Todos os Sindicatos, fui reeleito para o Secretariado, posteriormente Conselho Nacional, cargo para os quais fui reeleito até hoje.
Fui membro do Conselho Nacional do Plano, entre 1976 e a sua substituição pela Comissão Permanente de Concertação Social.
Fui representante da CGTP-IN no Comité Consultivo da EFTA, até 1986.
Em 1976, passei a integrar o Secretariado da Federação dos Sindicatos Metalúrgicos e a Direcção do Sindicato dos Metalúrgicos de Lisboa, cargos para os quais fui, também, sucessivamente reeleito.

Mandatos/fontes de autoridade

Estruturas internas/genealogia

Contexto geral

Entidade relacionada

Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses – Intersindical Nacional (CGTP-IN) (1970-10-01 –)
Identifier of the related entity
PT-CGTPIN/1
Tipo de relação
associativa
Datas da relação
1975 - 2012

Entidade relacionada

Entidade relacionada

Partido Comunista Português (PCP) (1921-03-06 –)
Tipo de relação
associativa
Datas da relação
1970 –

Identificador do registo de autoridade

Identificador da instituição

PT-CGTPIN

Regras e/ou convenções

Estado da descrição

Revista

Nível de detalhe

Parcial

Datas de criação, revisão e eliminação

Criado em: 2011-03-03.
Revisto em: 2017-02-17.

Idioma(s)

Escrita(s)

Fontes

Biografia realizada e concedida pelo entrevistado.

CARTAXO, José Ernesto – CGTP-IN: 40 Anos de Luta com os Trabalhadores (1970-2010). Lisboa: CGTP-IN, 2011, p. 149.

Notas de manutenção

Criado por: Sílvia Correia.
Revisto por: Filipe Caldeira.
 
  POPH QREN União Europeia FSE