Idioma da unidade de descrição

 
 

Bem vindo

O Centro de Arquivo e Documentação (CAD) da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP-IN) tem como missão gerir toda a documentação produzida e recebida  por esta organização (sede), independentemente do seu suporte ou data. Continuar...

 
 

Visualizar registo de autoridade

João António Silva

Tipo de entidade

Pessoa

Formas autorizadas do nome

João António Silva

Formas paralelas do nome

Formas autorizadas do nome de acordo com outras regras

Outras formas do nome

  • João Silva

Identificadores para pessoas colectivas

Datas de existência

1916-04-07 -

História

Nasceu a 7 de Abril de 1916, em Lisboa, nos confins do popular bairro lisboeta de Alfama.
Começou a trabalhar aos 12 anos, como escriturário.
Aos 17 anos troca o escritório pelos estúdios da Tobis. A sua ligação à sétima arte manteve-se até aos 63 anos, com duas interrupções forçadas. A primeira deu-se logo em 1934, ano da sua admissão na Tobis, tendo como causa directa a sua participação na Revolta do 18 de Janeiro. O arrojo custou-lhe dois anos de degredo nos Açores.
A segunda, por um período mais curto, veio na sequência do funeral de Bento de Jesus Caraça. João Silva estava a filmar a manifestação de democratas que a cerimónia do funeral constituiu, quando a polícia lhe arrancou o filme da máquina e enviou o seu autor, uma vez mais, para a prisão.
No cinema, João Silva foi sucessivamente clakette-boy, assistente de operador e operador, tendo chegado a ser assistente do realizador italiano Ettore Scola, no filme Perdido em África, rodado no deserto de Moçâmedes.
Entre outros, trabalhou com os seguintes realizadores: Cottinelli Telmo, Chianca de Garcia, Jorge Brum do Canto, Arthur Duarte, António Lopes Ribeiro, Francisco Ribeiro, Alexandre Onuchi, Leitão de Barros, Perdigão Queiroga e Henrique Campos. O seu nome figura na ficha técnica de filmes como Canção de Lisboa, Bocage, Aldeia da Roupa Branca, João Ratão, Pai Tirano, O Leão da Estrela, Pátio das Cantigas, Fátima – Terra de Fé, Um Homem às Direitas, Ladrão Precisa-se, A Morgadinha dos Canaviais, Camões, Fado, Vendaval Maravilhoso, Filho do Homem do Ribatejo, Kill or be killed (fita americana), Cantiga da Rua, e do já referido Perdido em África, de Ettore Scola, e do filme francês Singrid.
Cineclubista activo, João Silva pertenceu ao Círculo de Cinema, que acabou por ser encerrado pela PIDE, e os seus membros mais destacados mandados para Caxias.
Em Janeiro de 1950, João Silva demanda terras de Angola, onde se dedica ao documentário, designadamente ao serviço da Telecine-Angola, e garante, durante vários anos, o Jornal de Actualidades.
Depois da independência de Angola, é convidado pela Televisão da República Popular de Angola para chefiar os serviços de cinema. Aceita o convite, mas cedo abdica da função de chefia, preferindo voltar para trás das câmaras.
Regressa a Portugal em Agosto de 1979, sendo desde esse ano repórter fotográfico no departamento de informação da CGTP-IN.

Lugares

Estatuto legal

Funções, ocupações e actividades

Mandatos/fontes de autoridade

Estruturas internas/genealogia

Contexto geral

Entidade relacionada

Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses – Intersindical Nacional (CGTP-IN) (1970-10-01 –)
Identifier of the related entity
PT-CGTPIN/1
Tipo de relação
hierárquica
Datas da relação
1979 - 2007

Identificador do registo de autoridade

Identificador da instituição

PT-CGTPIN

Regras e/ou convenções

Estado da descrição

Revista

Nível de detalhe

Parcial

Datas de criação, revisão e eliminação

Revisto em 2011-08-12.

Idioma(s)

Escrita(s)

Fontes

João Silva - Rocha Chenaider. Lisboa: CGTP-IN - Departamento de Cultura e Tempos Livres; AE, Artes do Espectáculo, Lda, 2008.

Notas de manutenção

Revisto por: Filipe Caldeira.
 
  POPH QREN União Europeia FSE